Curvóptica I

Curvóptica Series I: Curvóptica #1 / Botânica : Lisboa, 2020

The motivation for this project is to transform straight and diagonal architectural lines (that were used to construct buildings but in the realm of imagery are also used to guide perception and incite certain types of understandings and imagination) into the pure fluidity of curved lines.
“Curvóptica” is a project that started during the Coronavirus pandemic break out in 2020 and is still in production (such as the virus), just like the other projects that I am currently working on this is also a quest for abstracting the urban scenario.

The following example images were created during walks in the city of Lisbon, taking photographs and editing them using multiple software and devices, specially a tablet and digital pencil that emulates the gestures of the painting, simulating a mix between media resulting in a fluid dance of former solid lines.


A motivação deste projeto é transformar as linhas retas e diagonais da arquitetura (que são usadas para construção de edificações mas que no reino das imagens são também utilizadas para guiar a percepção e incitar certos tipos de entendimentos e imaginação) na pura fluidez das linhas curvas.
“Curvóptica” é um projeto que teve início durante a pandemia do Coronavírus em 2020 e ainda está vivo e em produção (como o vírus). Assim como meus outros atuais projetos esta também é uma jornada em busca de abstrair o cenário urbano.

Os exemplos a seguir são imagens criadas durante longas caminhadas pela cidade de Liboa, fotografando e editando as imagens utilizando múltiplos softwares e dispositivos, especialmente um Ipad e uma Apple Pen, que possibilitam a emulação dos resultados dos gestos da pintura, simulando um mix entre medias que resulta na dança fluida das antigas linhas sólidas.

Curvóptica Series I: Fisiônomia de Nós: Lisboa, 2020
Curvóptica Series I: Curvóptica #4: Lisboa, 2020
Curvóptica Series I: Curvóptica #3c / Curvóptica #3 : Lisboa, 2020
Curvóptica Series I: Curvóptica #2: Lisboa, 2020

Curvóptica II

Curvóptica Series II: “Turn” – 100x150cm: Lisboa, 2020

This specific creation has a particular plasticity of the original concept that framed and materialized Curvóptica. A limited edition series exclusively created to Mosaico Foto Galery, Vitória – Brasil. For more information

Criação específica com uma plasticidade particular do conceito original que enquadrou e materializou Curvóptica. Uma série de edição limitada criada exclusivamente para a Mosaico Foto Galeria em Vitória. Para mais informações:

Curvóptica III

Curvóptica Series III: “No hay navidad pero hay regalo”: Madrid, 2019/2021

The third edition of the Curvóptica series (2021), currently under development, has just awakened to an important conceptual issue, as it shows a maturing of its semiotic issues and reaches a very distinct visuality from its previous editions.

At this time of the creative process, the lines of the building structures of urban architecture taken as object-matter maintain their original proposal in the process, and overcome this limitation in curves that become, in this edition, an abstraction beyond the visual plane.

Being the curves abstractions, or if you want to call them concepts, operations of interpretative control of the spectator agent. the lines that were insistently bent in the first edition of this project (which completely erased the referential traces of the city forcing the sign towards the domain of its dimension of pure iconic quality of colors and pure forms); or the distortion of colors superimposed on a more figurative visualization of the city, characteristic of the second edition of Curvóptica, no longer make sense in the current state of art that has been naturally adapting itself to the aesthetic coherence and poetic proposal that I assume at this moment of creation: the works I present intend to function as interfaces addressed to the spectator-interactor.


A terceira edição da série Curvóptica (2021), em desenvolvimento, acaba de despertar para uma importante questão conceitual uma vez que mostra um amadurecimento de suas questões semióticas e alcança uma visualidade bem distinta de suas edições anteriores.

Neste tempo do processo criativo, as linhas das estruturas edificantes da arquitetura urbana tomada como objeto-matéria prima mantém sua proposta original no processo, e superam essa limitação em curvas que passam a ser, nesta edição, uma abstração para além do plano visual.

Sendo as curvas abstrações, ou se quiser chamar de conceitos, operações de controle interpretativo do agente espectador, as linhas que se dobravam insistentemente na primeira edição deste projeto (que apagava por completo os traços referentes da cidade forçando o signo em direção ao domínio de sua dimensão de pura qualidade iconica de cores e formas puras) ; Ou a distorção de cores sobreposta a uma visualização mais figurativa da cidade, característica da segunda edição de Curvóptica, já não fazem sentido no atual estado da arte que foi se adequando naturalmente à coerência estética e proposta poética que assumo neste momento de criação: as obras que apresento pretendem funcionar como interfaces endereçadas ao espectador-interator.

Curvóptica Series I: Botânica: Lisboa, 2020
Curvóptica Series II: Lisboa, 2020